Mostra Lutz 2013: parceiros mobilizam o dia-a-dia nas escolas

A agenda de oficinas e palestras da Mostra Lutz 2013 contou com cerca de 50  oficinas e palestras nos meses de agosto e setembro, movimentando o cotidiano de 18 escolas, graças à participação de voluntários, parceiros do Programa de Educação Ambiental que há 12 anos envolve 25 escolas de Garopaba. São pessoas que, através da ferramenta de envolvimento comunitário Empório da Mostra Lutz, passam a desempenhar papel ativo no desenho do futuro. Veja aqui uma síntese das oficinas e palestras realizadas nas escolas de Garopaba

Alecrim Correa (esq.) preparou a massa dos pães junto com as crianças 
Pães Caseiros: uma experiência para relembrar a infância
Sinônimo de vida e trabalho, alimento do corpo e da alma, o pão faz parte da cultura de muitos povos e tem um significado importante em diferentes culturas. Resultado do cozimento de uma massa feita com farinha de certos cereais, principalmente trigo, água e sal, ele pode ter sido uma das primeiras comidas preparadas pelo homem. Foi dessa maneira que Alecrim Correa, colaborador voluntário da Mostra Lutz, iniciou sua oficina de pães caseiros: contando histórias dos pães, discorrendo sobre ingredientes mais saudáveis e preparando a massa juntamente com mães e filhos. Foram duas oficinas: na Creche Beijinho de Anjo, dia 21 de agosto, falou para 15 mães e três professores; na Escola Maria Ferreira Couto, no dia 28 de agosto, reuniu 22 estudantes e quatro professores. 

Nas oficinas, a percussionaista e fitoterapeuta Joana Netz estimula a criatividade e o ritmo
Musicalização Infantil estimula percepção sensorial 
Também como voluntária, Joana Netz orientou oito oficinas oferecidas a 194 estudantes das escolas municipais  Paula Martins, Januário Ferreira, Centro Educacional Garopaba e Creche Otilia. Também esteve na Creche Beijinho e no Centro Educacional Campo D’Uma. Percussionista e fitoterapeuta, Joana buscou, através da musicalização, estimular o desenvolvimento da criatividade, do instinto rítmico, da coordenação motora, da lateralidade, do raciocínio lógico, da socialização, da percepção auditiva e espacial, e da capacidade de interação.

Estudantes do Colégio Curupira aprenderam a fazer compostagem
Compostagem in loco – solução simples e eficiente
Guto Terra, pai de aluno e parceiro da Mostra Lutz, e Sandra Severo orientaram a criação de uma composteira realizada por integrantes de três turmas do ensino fundamental no pátio do Colégio Curupira. Durante a prática, foram transmitidas orientações sobre a manutenção, a correta alimentação, e os processos de decomposição. Os resíduos das merendas da escola, assim como as folhas das árvores, passarão a ser compostados, o que irá resultar em adubo de excelente qualidade para a horta e para o jardim da escola.  A iniciativa também irá diminuir o volume de “lixo” da escola, como parte dos cuidados de reciclagem de materiais. Para a turma do pré-escolar a proposta foi trabalhada de forma mais didática, com a montagem de protótipos: mini-composteiras criadas em garrafas pet.

Ananda Casanova (esq.)  ensinou a extrair corantes e pigmentos orgânicos dos alimentos
Corantes Naturais: consciência ambiental e expressão artística
Ananda Casanova, parceira voluntária do empório, orientou duas oficinas sobre corantes/pigmentos naturais para 56 estudantes das escolas Isidro Amorim e Agostinho Botelho. Processos simples para a extração de corantes e pigmentos orgânicos de feijão, beterraba, urucum, café, erva mate, marcela, açafrão, e inorgânicos de terras e argilas de diferentes tons foram realizados pelos participantes. Na confecção da tinta, foram acrescentados a cola branca como meio, e o vinagre como antifúngico. Pronto! As tintas foram testadas em pinturas sobre papel. Ananda também informou aos grupos que a durabilidade das tintas a base de corantes naturais é menor do que as tintas industrializadas. As de origem vegetal, com raras exceções, são sensíveis à luz e sempre vão perder um pouco da sua cor. E também são instáveis, por isso se consegue belíssimas cores de flores e frutos que depois ficam amarronzadas. Os participantes dessa oficina compreenderam que as pinturas feitas com tintas vegetais são frágeis, mas que as tintas de terra não desbotam nunca, mesmo sob um sol forte. Também não apresentam problemas de conservação: nunca criam fungos, nem na pintura, nem na tinta.

Dolizete Zilli (dir.) explicou como funciona um círculo de bananeiras
Circulo de Bananeiras trata águas cinza da EM Agostinho Botelho
A filtragem natural realizada pelas raízes de plantas é o princípio de funcionamento do Círculo de Bananeiras. Na oficina orientada por Dolizete Zilli, do Projeto Gaia Village, os alunos aprenderam que o círculo de bananeiras funciona como um filtro das partículas presentes nas águas cinza, como as do tanque e da pia.  Por ser planta adaptada a solos úmidos, com grande capacidade de evapotranspiração em razão de suas grandes folhas, a bananeira constitui uma forma amigável, e de baixo custo, de evitar a contaminação dos solos e lençóis freáticos. Um grupo de 40 estudantes, oito professores e dois pais de alunos da Escola Municipal Agostinho Botelho participou da oficina que ao final resultou na construção de um círculo de bananeiras.

Mariana Negreiros (dir.) ministrou oficinas de customização de roupas 
Oficina de Moda Sustentável
Mariana Negreiros orientou três oficinas em que os participantes trabalharam a questão da customização de peças do vestuário, renovando roupas que estavam esquecidas nos armários. Trata-se de uma estratégia de promoção do consumo consciente. Mariana é aluna do curso de Pós-graduação em Moda e Meio Ambiente na London College of Fashion, na Inglaterra. Veio a Garopaba especialmente para participar como voluntária do Programa de Educação Ambiental – Mostra Lutz. No total, 45 estudantes e oito professores das Escolas Municipais Izidro Amorim, Maria Ferreira Couto e o Colégio Perfil participaram das oficinas. "Foi uma experiência gratificante, por perceber  a energia que cada um depositou em suas criações”, disse Mariana. Ela ficou curiosa para saber sobre a repercussão de suas lições: "Se as roupas customizadas continuarão a ser usadas e, especialmente, se as técnicas trabalhadas despertaram a vontade de continuar a criar”.


Fechem os olhos... imaginem... começou a contação de histórias!!
Contação de histórias encanta estudantes e professores
As voluntárias Denise Engers e Ana Carla visitaram 12 escolas municipais e realizaram 15 oficinas de contação de histórias para 272 estudantes do pré-escolar. Mexendo com a imaginação, as duas proporcionaram momentos lúdicos, de relaxamento e de bem estar, contribuindo para melhorar a integração entre os alunos. Bonecos de pano e elementos da natureza, como madeira, sementes e pedras, ajudaram a compor nas cabeças das crianças os personagens e os enredos das histórias. 


Folhas das árvores ajudam a refletir sobre a diversidade de formas e texturas da Natureza
Projeto de arborização da rua com apoio das famílias
O adequado conhecimento das características e condições do ambiente urbano é uma pré-condição ao sucesso da arborização. É preciso considerar fatores básicos, como espaço físico disponível e características das espécies. Em duas oficinas, a bióloga Sandra Severo ensinou a 65 estudantes do pré-escolar do Centro Educacional Infantil Garopaba - CEIG o que plantar, como, onde e quando. O trabalho fez parte do processo de início de arborização da rua da escola, conforme proposta pedagógica do CEIG. Ao final das oficinas, os estudantes construíram um colorido painel utilizando folhas das árvores como carimbos. Refletiram sobre a diversidade de formas e texturas das folhas.

Alecrim Correa mostrou como a Yoga pode ajudar a gerenciar o estresse e canalizar as energias 
Yoga para promover o bem-estar e melhorar a concentração dos estudantes
O estresse em crianças se manifesta por fadiga, desorientação, excitação, entre outros sintomas  Dedicar alguns minutos para respirar entre as atividades pode auxiliar no aprendizado. Yoga é uma excelente ferramenta para aprender a gerenciar o estresse e canalizar as energias para uma zona de crescimento e criatividade. Alecrim Correa, como voluntário, facilitou quatro práticas para os alunos das turmas do 3º ao 5º ano da Escola Januário Ferreira, da comunidade da Ressacada. Visite www.alecrimdaterra.com.br e saiba mais sobre o trabalho de Alecrim.


Sandra Severo falou sobre consumo consciente para crianças da Escola Norberto Ferreira
Alimento e Consumo: sua decisão importa!
Em palestra para as turmas do 4º e 5º ano da Escola Municipal Norberto Ferreira, a bióloga Sandra Severo discorreu sobre  a estreita relação que os alimentos têm com a saúde do organismo e com o estilo de vida. Buscando sensibilizar os jovens para que se percebam como consumidores conscientes, capazes de gerar mudanças a partir das escolhas que fazem diariamente, a palestra versou sobre as consequências do uso de agroquímicos na agricultura convencional frente às práticas da agricultura orgânica. Nos debates que se seguiram, discutiram-se hortas caseiras, mercado de alimentos da agricultura familiar orgânica e benefícios do consumo de alimentos sem agroquímicos, plantados de forma a garantir a sustentabilidade dos solos, das águas, dos animais, dos homens, enfim, do planeta. 


Comentários